Poucas publicações no mundo têm a importância que revista Thrasher tem. Durante anos a revista foi vista como uma verdadeira bíblia do esporte para os skatistas. Música, fotografia, manobras e entrevistas; tudo que tivesse relação com o mundo do skate estaria nas páginas da Thrasher. Com mais de 250 mil leitores mensais, ela é a mais antiga e emblemática revista de skate do mundo. O logotipo Thrasher é um dos símbolos mais reconhecidos fora do universo do skate. Copiado, modificado e usado por pessoas e marcas que não têm nada a ver com o esporte.

Uma revista que tornou-se um símbolo cultural. Mas como ela chegou até aqui?

Tudo começou em janeiro de 1981, quando os fundadores da Independent Trucks Eric Swenson e Fausto Vitello, junto de Kevin Thatcher, começaram a revista em San Francisco, na Califórnia. Os três skatistas já eram figurões de uma indústria que dava seus primeiros grandes passos, com Swenson e Vitello sendo sócios na Indy Trucks e na Santa Cruz. A ideia por traz da Thrasher era simples: um espaço para anunciar os produtos das marcas e um forma de incentivar uma “cena”, que traria ainda mais possíveis consumidores para a marca. A marca ainda não tinha a atitude “punk” pela qual ficou conhecida.

Eric Swenson, Kevin Thatcher e Fausto Vitello (dir. p/ esq.), fundadores da Revista Thrasher. Foto: Reprodução

É impossível falar sobre a revista que conhecemos hoje sem falar de Jake Phelps. Em 1985 Jake Phelps entrou para a Thrasher, mudando para sempre o curso da revista. Phelps foi contratado como estoquista no galpão que produzia as camisetas e bonés das marcas, mas seu conhecimento sobre skate e relacionamento com Fausto Vitello acabaram lhe garantindo uma vaga na redação. Como editor, Phelps sempre foi muito polêmico, chegando a classificar a ascensão do street como “a morte do skate”. Fotos de feridas abertas, listas dos piores skatistas de todos os tempos (que acabou lhe rendendo um olho roxo) e provocações aos leitores, tudo estava lá. Sem limites, Jake Phelps deu à revista Thrasher o tom que ela mantém até hoje: alto, provocativo e irreverente. Mais de 20 anos depois, Phelps ainda mantém o cargo de editor da revista, apesar de atualmente ser mais uma figura decorativa. Os fundadores Fausto Vitello e Eric Swenson faleceram em 2006 e 2011, respectivamente.

Figura. Essa é melhor forma de descrever Phelps. Com 54 anos e todo tatuado, com um estilo que que mistura um skatista com um professor de universidade, ele chama atenção por onde passa. Um verdadeiro skatista de essência, Jake já sofreu uma lista impressionante de acidentes, que nos faz questionar como ele ainda está vivo. Jake já foi esfaqueado, baleado, mordido por uma aranha venenosa, sofreu um acidente de carro tentando contrabandear skates vestido de padre, além de ter sido atropelado inúmeras vezes. Já quebrou as duas pernas, dois dedões, fraturou a cabeça. Passou por sete cirurgias no joelho. Nada, absolutamente nada disso foi capaz de pará-lo. Jake Phelps é o verdadeiro espírito “Skate and Destroy”.

Jake Phelps. Foto: Andrew Paynter
Revista Thrasher além do papel

Um dos maiores diferenciais da Thrasher foi expandir além do formato tradicional das revistas focadas em reportagem. De campeonatos a lançamento de discos musicais, passando por video-games, a Thrasher sempre foi envolvida em tudo que possa ter a ver com skate. Em 1990 a revista começou a tradição de eleger os melhores skatistas daquele ano, que apareceria num anuário e receberia um prêmio. O título de Skatista do Ano da Thrasher logo tornou-se um dos prêmios de maior prestígio do esporte. Apesar da votação ser aberta ao público, a palavra final de quem fica com o título é sempre de Phelps. O primeiro skatista a ser eleito pela Revista Thrasher foi Tony Hawk no ano de estreia do prêmio. Desde de então, o prêmio é realizado todos os anos. O skatista Kyle Walker foi o vencedor em 2016. Até único brasileiro a conquistar o título foi Bob Burnquist em 1997, apesar de Pedro Barros e Thiago Lemos terem ficado entre os finalistas no ano passado.

Com a perda da força do impresso numa sociedade cada vez mais digital, a Revista Thrasher passou a voltar muitas das suas energias para o site ThrasherMagazine.com. O site da Revista Thrasher é repleto de conteúdo exclusivos, especialmente seguimentos em vídeo, como a série “Hall Of Meat”, que traz registros dos capotes mais feios, e vídeos de campeonatos e rolês. A votação do público para o Skater Of The Year atualmente é feita apenas pelo site.

Vale a pena adicionar que a revista SKATEBOARDER, que fechou suas portas em 2013, nasceu antes da THRASHER, em 1964.

Mais de 36 anos depois do lançamento da primeira edição, a Revista Thrasher preserva viva a chama do skate e se mantém fiel às suas origens. Autêntica e original, diferente das inúmeras outras revistas que surgiram e desapareceram ao longo dos anos, a Thrasher deve continuar como um símbolo do verdadeiro espírito do skate por muitas gerações.

COMPARTILHE