Ruas do Brasil São Cenário do Filme The Cinematrographer Project

0
195

Kyle Camarillo escolheu as ruas do Brasil para sua seção do The Cinematographer Project World View, filme de 73min composto por pequenos curtas de 03-05 minutos em que alguns dos melhores videomakers de skate puderam escolher skatistas ao redor do mundo para registrar alguns dos pontos mais épicos que já foram vistos.

Kyle ja tinha algumas pessoas em mente para filmar desde o início. Essa com certeza não é a primeira vez que ele pega em uma câmera, e isso fica claro em sua edição.
Algumas cenas fazem você se sentir como se você estivesse ali com eles. E quando você tem um time talentoso como este, você é obrigado a obter um resultado final bastante pesado.

A TransWorld Skateboarding, fez um entrevista com Kyle que saiu na edição de fevereiro deste ano sobre como foi filmar o video, o THE STOKE selecionou e traduziu alguns trechos da entrevista abaixo. Você pode acessar entrevista original em inglês aqui.

Klaus Bohms manda um flip no Rio de Janeiro. Foto: Ribeiro

Como tem sido filmar isso?
Bem, minha seção foi filmada inteiramente em uma viagem de duas semanas para o Brasil. Por isso, foi um calendário bastante apertado. Eu também tive que ser o coordenador da equipe com a ajuda de Rodrigo Petersen. Então eu tinha mais preocupações do que apenas filmar. Mas com a equipe que eu tinha, ficou tudo muito fácil. Eles quebraram demais lá, e o resultado é esse filme. 100% destruidores

Qual era o seu plano inicial? Descreva os envolvidos em sua seção.
O plano mudou algumas vezes, mas se concretizou em uma semana em São Paulo e uma semana no Rio. Rodrigo Petersen realmente me ajudou a juntar a equipe principal. Conheço Rodrigo e Adelmo Jr. há muito tempo. Muito antes de eu trabalhar para o LRG, na verdade. Nós tínhamos falado durante anos sobre fazer uma viagem ao Brasil, então eu estava mais do que animado para fazer acontecer. Eu já tinha andado com Carlos Iqui, Yuri Facchini, Klaus Bohms e Danny Cerenzini algumas vezes no passado, mas apenas em pequenas sessões aqui e ali. Esta foi a primeira vez que eu trabalhei em um projeto real com eles e eu sabia que eles iriam quebrar tudo. Eu não tinha conhecido Wilton Souza, Pedro Biagio ou Gabriel Fortunato ainda, mas eu tinha visto imagens deles e sabia que esta era a próxima geração de skatistas brasileiros. Nós nos encontramos com o fotógrafo Heverton Ribeiro em São Paulo, e ele mais que topou continuar conosco na viagem para o Rio.

Rodrigo Petersen, Ollie em São Paulo (SP). Foto: Camarillo

Por que você escolheu o local em questão?
Na verdade, eu não escolhi a minha localização. Quando fui abordado sobre como fazer o projeto, Joe Pease me perguntou se eu gostaria de cobrir o Brasil. Eu sempre quis passar mais tempo lá e surpreendentemente nunca tinha feito isso. Mas eu mais que aceitei cobrir o Brasil, por causa dos muitos amigos que eu tenho lá. Sempre soava como dias irados. O Brasil tem sido uma parte tão importante do skate, desde os picos aos skatitstas. Sempre foi um lugar que eu precisava ir.

Você está feliz com o resultado do filme? Você faria algo diferente na próxima vez?
Eu estou, mas eu queria que eu não tivesse filmado tudo em um período de tempo tão curto de uma viagem. O tempo curto fez o video perder criativamente. Eu gostaria que eu tivesse tido tempo suficiente para trabalhar melhor cada ângulo e trabalhar melhor com os skatistas para pegar cada manobra exatamente como eu / nós queríamos. Mas eu estou realmente feliz com a forma como ele resultou e, novamente, estou super orgulhoso da minha equipe e o quão duro eles deram. O skate deles fala por si. Parte de mim quase desejava ter um cineasta brasileiro fazendo a minha parte em vez de mim. Fazer tudo 100% brasileiro. Mas estou honrado em poder fazer isso. Só espero ter feito jus ao Brasil. Acho que se eu tivesse que fazer isso de novo, eu realmente tentaria ter empurrado mais o lado criativo. Mas isso pode ser um equilíbrio difícil no skate. Cineastas e criativos podem amar algo novo e diferente, mas skatista podem odiar e querem voltar para um vídeo de skate comum. Encontrar esse equilíbrio é realmente difícil.

COMPARTILHE